O Regresso

das férias
O Regresso

Já de volta, às quotidianas azafamas  partilho o lugar de Anos anteriores que, numa perfeita harmonia familiar e cultural, ofereceu acalorados, emotivos e divertidos dias. Vizinha do meu País - parte Norte - Espanha é o destino, favorito de família, não só pelo menor custo da viagem e afins, mas também pela contagiante alegria do seu povo. Foram férias diferentes, das demais, desde a emoção à paixão, esqueceu-se a mecanizada rotina, e um Pais cada vez mais problemático. (…). Em duas pequenas passagens, as mais importantes, resumo as minhas férias em família, com surpreendentes ingredientes, nada esperados, sendo as restantes revestidas de naturais cores e sons, num deslumbrante encontro com a Mãe-Natura.


Os primeiros dois dias culminaram com a passagem, da prova ciclística, a Internacional, ”La Vuelta”, donde participou, o Alberto Contador, minha principal referência da modalidade. Eram dezenas de populares, jornalistas, publicitários, forças de segurança e os protagonistas, a criar aquele extasiante clima. As palavras não exprimem o êxtase da surpresa, como quando esqueci a máquina de fotos, que tinha numa das mãos, para usar quando o visse. Ele passou - mesmo junto a mim - rodeado de seguranças, ficando eu entorpecido e com voz embargada e, (…), acordo com o safanão da minha filha. Foi-se o momento, porém num contra relógio, depois de uma participação, mais activa e perigosa, do novo membro lá de casa, consigo um vídeo da sua passagem; já antes uma foto sentado no seu carro oficial. Deveras emocionantes estes dois momentos, de fazerem enrijecer a epiderme mais dura, mais tarde soube que, pela terceira vez consecutiva, ganha a prova, Alberto Contador.

Quem perdeu neste segundo dia foi, Luna, uma cadela, “Pedengo Português”, raça utilizada na caça ao coelho, com oito meses de idade e comportamentos sagazes que, sem treino, utiliza-os sempre que pode. Irrequieta, também próprio da raça, transforma parte do dia, num autêntico terror, ao pôr á prova a sua fugacidade. No contra relógio - estradas vedadas e controle policial na popular assistência - Luna, foge-me, com trela, no encalce de um ciclista. Fiquei imóvel e em pânico. A assistência espanta-se, o ciclista e os polícias, que o acompanhavam, não deram por nada, (pensamos nós); o pronto chamamento de minha filha, fez Luna desistir dos intentos. Frustrada deita-se ao pé de mim, de orelhas em riste, para nova tentativa. Mais atento, a uma nova investida canina, restabeleço do susto quando passa Contador. Com calma posiciono-me na berma da estrada e lá consigo um vídeo à sua passagem. Tive de ser rápido porque a velocidade dele era estonteante. Ganhei o dia em duas frentes, a pronta obediência do inocente animal e a minha perspicácia no botão da máquina. Neste entre outros episódios, partilhamos com Luna, brincadeiras, passeios e praia, finalizando as férias calma e exausta. Ficamos a saber que praia, não gosta, só mesmo correr pela areia, escava-la, ladrar às gaivotas, mas apanhar sol, nunca.
  
Refeitos destas, acaloradas, perturbações, os restantes momentos dividem-se entre praia, campismo, passeios e compras; coisas próprias das férias. Na sua maioria são passados a contemplar o espaço que ocupo. Este ano fomos um pouco mais tarde, finais de Agosto, sentindo o local mais vazio de pessoas e cheio de natureza pura, um recanto só nosso. Apanhamos a preparação do final-do-Verão, dias mais frios e curtos, o desnudar dos Plátanos, cobrindo o chão de secas e barulhentas folhas, coros de diferentes pássaros a organizarem-se; era o prenúncio do baile Outonal. Luna ladrava extasiada a estas novidades sonoras. Ela também contemplou, (...). Findo o tempo, de permanência, despimos o lugar que nos acolheu, deixando um vazio e as marcas da nossa presença. Um olhar bastou para regressar ao presente.

Regressados daquele sublime recanto, à surreal realidade do País. De Todos me lembrei, mas confesso que não foram assim tantas as vezes, porque o momento foi de recolhimento. Com novas energias, necessárias para o combate de mais um ano, encontramos negativas novidades; uma agudização da pobreza e revolta; uma Sociedade mais inconformada e dividida, (…), um contraste dos momentos oferecidos pela Nossa-Mãe. Novamente aqui para partilhar esta intensa experiência familiar, não costumo fazê-lo, no entanto as alegrias partilham-se, com aqueles que nos ouvem. O relógio não parou, só tive de o acertar embora, uma vontade de o esquecer e, voltar a ocupar aquele lugar, onde idealizei um Mundo melhor. 

Mensagens populares deste blogue

Medos Que Nos Fizeram Ser, o Que Não Quereríamos Ser.

Novo Ano