Silêncio em O Meu Quotidiano



estádios de vida
O Meu Quotidiano

Os prolongados silêncios, emO Meu Quotidiano, não são falta de ideias do autor, pois estas abundam no seu dia-a-dia, são estádios de vida a atormentarem o seu espírito, afastando-o do seu quotidiano viver. São também consequências de convites, à participação literária noutros locais, que o desviam deste idealizado lugar de conversas entre pensador e leitor. Sucedem por isso estas devidas justificações. Não que lhe tenham chegado semelhantes pedidos, estas acontecem pelo respeito de este para com os outros.


O País e Mundo, relações e família são objeto dos vários interregnos na escrita. O autor vive momentos incertos, por muito que só pense no exato, é-lhe difícil conjugar ideias e um místico desassossego. É Portugal que vive um dos seus piores marcos da História, por via de uma idealizada crise monetária e Social. O restante Mundo segue em espiral catastrófico, guerras, raiva e mais pobreza. Familiarmente, uma corrente de novos tempos, o concentram em adaptações de vida. Afastou-se das relações, em virtude de estas não terem de arcar com injustos comportamentos. Por fim juntemos a participação do autor, em outros sítios de escrita criativa, pelos quais tem sido convidado.


Nos convites que aceitou participar, foram inicialmente avisados; “escrevo com vontade e não o contrário”, assim logo se afastou, por falta de material, alguma pressão futura, São vontades próprias de quem se afasta; tudo sai de quem recria cada momento, porém o espírito deste autor se contradiz. Quer escrever, conviver e alimentar o Amor por quem nutre a sua companhia, mas sente-se inerte pelo tudo que o rodeia. O silêncio torna-se o livro de quem o escreve e não de quem o lê.


É assim a vida que realizamos, sofre quem ama e desfruta quem ignora. Em O Meu Quotidiano sobra espaço, não para um vazio de letras, mas para alturas de melhor discernimento do seu autor. Estranha forma de apresentar este desassossego, mas que dizer a quem Nos acompanha? Um único pensamento; respeito-Vos e agradeço toda a vossa aceitação. Breve, este diário, deixará de estar silenciado e voltará a ser O Meu Quotidiano.

Mensagens populares deste blogue

Medos Que Nos Fizeram Ser, o Que Não Quereríamos Ser.

Novo Ano